ZÉ DOMINGOS SENTE SAUDADE…

CARNAVAL ESTÁ CHEGANDO –

CONCURSO “A MAIS BELA BOLADA”

OUTRA ATRAÇÃO QUE DESAPARECEU

IDEALISTAS MANTÉM CARNAVAL. UM

POUCO DA HISTÓRIA DESTA FESTA EM

CURITIBA

Zé Domingos

         Chegamos a semana do Carnaval de 2.014 e por isto vamos recordar algumas coisas deste período em Curitiba. Durante vários anos praticamente todos os clubes da cidade desde os mais simples até os mais sofisticados realizavam bailes com orquestras ou conjuntos, concursos de fantasias e outras atrações.

Aos poucos esta tradição foi sendo quebrada e hoje poucos clubes é que promovem a festa. Dá para se contar nos dedos como diziam os antigos as sociedades que realizam bailes de Carnaval. Algumas que programavam bailes infantis pararam, enfim o chamado “Carnaval de Salão” praticamente desapareceu.

Alguns idealistas, com as mesmas reclamações de a prefeitura não dar o apoio necessário, liberando recursos considerados pequenos ainda continuam promovendo os concursos de escolas de samba. Este ano com apoio de veículos de comunicação ocorreram movimentadas preliminares do carnaval de rua com o bloco Sacis e Garibaldis embalando o público com festas na Avenida Marechal Deodoro e também em bairros.

Avenida Marechal Deodoro que após vários anos de apresentações na Avenida Candido de Abreu volta a ser o cenário do desfile carnavalesco. Muitos vêm para Curitiba justamente para fugir de cidades onde o carnaval e efervescente.

Curitiba nunca foi uma cidade voltada inteiramente para o Carnaval. Talvez pelo próprio jeito de ser de sua gente o Carnaval aqui não encontra a mesma receptividade popular que em outras localidades.

Há seguimentos que defendem que Curitiba deveria buscar alternativas promocionais para atrair para cá pessoas que nestes dias procuram tranqüilidade para descansar. Mesmo sem campanhas publicitárias neste sentido muitas pessoas vem para Curitiba, no sentido de passear, visitar amigos ou parentes, outras para conhecer. Mesmo tendo algumas promoções carnavalescas a cidade fica nestes dias bastante tranqüila.

         Uma das mais tradicionais promoções carnavalescas surgida nos anos 70 por iniciativa de um cidadão conhecido por Barriga funcionário do jornal Tribuna do Paraná, o concurso “A MAIS BEM BOLADA”, reunindo mulheres das casas noturnas da cidade e que alcançou grande sucesso, atraindo grandes passando a enfrentar dificuldades até de local para a sua realização e acabou desaparecendo.

O fotógrafo Mário Neri que substituiu Barriga, na organização do evento vinha a alguns anos enfrentando diferentes desafios para desenvolver o projeto e chegou o momento em que não encontrou mais horizontes para segui-lo e parou.. A promoção que teve como primeiro local a Sociedade Batel depois passando para a sede do Atlético Paranaense, naquele tempo Ginásio de Esportes e depois foi passando por  diferentes locais. Arrumar local passou a ser um dos problemas.

As mudanças evidentemente traziam adversidades até mesmo para a presença de público. Este foi diminuindo e com mais dificuldades surgindo sucumbiu, mas muita gente tem boas recordações de “A MAIS BEM BOLADA”. Foi membro de sua comissão em vários anos.

Mulheres deixaram de se interessar pela participação por entenderem não ser interessante profissionalmente. Proprietários de boates também passaram a apresentar barreiras para a presença de suas freqüentadoras. Enfim uma série de fatores fez com que a promoção que teve anos gloriosos deixasse de ser realizada. É mais uma das atrações do Carnaval de Curitiba, que desapareceu.

A idéia do concurso “A Mais Bem Bolada” surgiu do sucesso dos bailes de segundas-feiras no Operário, onde travestis participavam de um concorrido concurso. Os travestis se apresentavam com lindos vestidos, belos penteados, maquiagens avançadas, procuravam o melhor para ganhar as simpatias do público e da comissão julgadora. Vinham travestis de vários estados. Era uma grande festa e vários anos fui seu apresentador, bem como participei de comissões julgadoras.

Os bailes de Carnaval no Operário eram dos mais concorridos e os das segundas-feiras dia do concurso era sucesso garantido. Meses antes as mesas estavam vendidas, convites igualmente. O clube lotava. Compareciam personalidades da mais alta sociedade, autoridades, a maioria com mascaras para não serem identificadas. Um grande “auê” com o presidente Edgard Antunes da Silva – Tatu, o diretor social o radialista Moisés Harmuch, o homem do programa das bandinhas pela Rádio Marumbi, satisfeitíssimos.

Havia participação de toda a diretoria, pois, o Carnaval no Operário, era trabalhoso, mas altamente lucrativo. Aqueles velhos dirigentes foram falecendo, os costumes foram mudando e o Operário, perdeu a força e hoje está fechado, o que é lamentável, pois é um dos mais antigos e tradicionais clubes da cidade. A sede está abandonada. Várias sociedades desapareceram, algumas se arrastam, outras estão fechadas ou em caminho de extinção.

Mas diante do sucesso do baile dos travestis o Barriga lançou a idéia do  concurso “A Mais Bem Bolada” e logo no primeiro ano foi sucesso total. Mulheres de praticamente todas as boates se inscreveram e naquela época eram muitas as casas noturnas em Curitiba, Moulin Rouge, Marrocos, Stardust, Graceful, Metrô, Jane 1 e 2, La Vie em Rose, Cádiz, Manhattan, Tropical, Cavanhaque, Gogô da Ema, Quatro Bicos, Castelinho, Casa de Campo, isto para citar apenas algumas.

Os primeiros concursos ocorreram na Sociedade Batel, nas noites de domingo justamente para não concorrer com o baile do Operário. Face ao sucesso e o salão da Sociedade Batel, ser pequeno e também apresentar problemas de falta de segurança foi transferido para a sede do Atlético.

Depois surgiu o baile da “Mistura”, imaginado pelo empresário artístico Antonio Gil, então diretor social do Atlético. Tal baile foi realizado durante alguns anos na terça-feira. Houve também o Baile da Ressaca, realizado no Operário, no primeiro sábado após o Carnaval. Praticamente todos os clubes realizavam bailes de Carnaval com orquestras, raros os que usavam música mecânica.

Nos anos 50, 60 e até 70 havia o corso com homens e mulheres fantasiados desfilando pela Rua XV de Novembro. Naqueles tempos o transito era aberto para carros e muitos com seus veículos sem capota desfilavam jogando lança perfume, confetes, serpentinas e água nos foliões. Era só alegria. Havia desfiles de escolas de samba, mas sem concurso.

Depois passaram a ser organizados pela Prefeitura os concursos das escolas de samba que aconteciam como ocorrem hoje no sábado. Colorados, Não Agite, Asas da Alegria, Embaixadores da Alegria, Bola Preta, Foliões da Mocidade, Zebra no Batuque, Sapolandia, Aristocratas do Ritmo, Unidos do Boqueirão, algumas das escolas.

 Com o desaparecimento da Asas da Alegria, ligada a Base Aérea e ao Ícaro Atlético Clube, do Bacacheri, sendo um dos seus baluartes Lauro Carvalho Chaves, o Baio, vereador de vários mandatos em Curitiba, seus componentes fizeram acordo com a Sociedade Dom Pedro II, ensaiando em suas dependências. A escola passou a ser chamada D. Pedro II. Dois ou três anos depois a Sociedade D. Pedro II, resolveu não apoiar a escola e ela se transferiu para o Pinheiros, passando a ser chamada Mocidade Azul, denominação que tem até hoje.

Osvaldo Silva o Afunda, Jubal, Charrão, Orlando, Amauri, Noli, foram grandes nomes da Mocidade Azul, como Glauco Souza Lobo, Carlos Fernando Mazza, Lima, Carlos Nasser, pela Não Agite, Embaixadores da Alegria, com a liderança do advogado José Cadilhe de Oliveira, depois da família D’Avila, aliás, até hoje, Ismael Cordeiro, Neil, Vico, Nelson Cordeiro, Binho, na Colorados.

Ainda surgiram Ideais do Ritmo, comando do saudoso Chocolate, Aristocratas do Ritmo com liderança do Mauro, Unidos do Boqueirão, com Mestre Libanio, Foliões da Mocidade, com ex componentes da Colorados, ligada a Sociedade 27 de Janeiro que tinha sede na Rua Desembargador Westphalen esquina da Rua José Loureiro ao lado da Churrascaria Tupã Sapolandia com Julinho, Zebra no Batuque e outras.

Houve também durante dois ou três anos o Concurso da Resistência, na Praça Tiradentes, onde hoje tem uma agencia do Banco do Brasil. O objetivo ficar sambando durante três noites e três dias sem parar. O que mais agüentasse ganhava premiação em dinheiro. Entendendo ser a promoção uma afronta a saúde, as autoridades a proibiram. Havia concursos de fantasias infantis e adultos em vários clubes.

Eram inúmeras as promoções de Carnaval e hoje estão restritas. Poucos clubes realizam bailes, os concursos desapareceram e o desfile das escolas de samba não tem mais a mesma força de anos passados. Espera-se que este ano com o retorno para a Avenida Marechal Deodoro melhore e seja mais concorrido.

Por isto o destaque de que Curitiba é uma cidade tranqüila no Carnaval e para quem não quer balburdia e um ótimo local para se descansar.

Os ficam lotados, mas a maioria dos hospedes tem o objetivo de fugir do Carnaval agitado de outras cidades. Para aqueles que gostam tem bailes em alguns clubes, bem como o bloco Rancho das Flores, que abre o desfile no sábado e todos podem participar e o desfile das escolas de samba no sábado. A cidade não fica totalmente alheia, mas é diferente de outras que promovem o Carnaval com toda a intensidade possível.

José Domingos Borges Teixeira

(Zé Domingos)

Rádio Barigui – AM – 1560 – Internet – www.radiobarigui.com – centraldetv.com.br – www.josedomingos.com.br – clicar Rádio Barigui, de segunda a sexta das sete as nove horas Comando da Manhã – No Mundo da Bola, telefones – (41) 3352-8686 – (41) 9972-0129 – e-mail – contato.josedomingos@hotmail.com

Anúncios

Um comentário sobre “ZÉ DOMINGOS SENTE SAUDADE…

  1. Mas que barbaridade! Até nisso as alternativas desta cidade que se dizia de 1°mundo acabou!! Não é á toa que em outro nichos é uma dificuldade tremenda para ser sucesso nessa cidade…parece que tudo é difícil!
    De um outro lado agora sei o porque não existe mais a MAIS BEM BOLADA e que só vi um trecho e bom das gostosas no youtube de carnaval passado e de outro a dificuldade IMENSA para fazer o evento..fazer o que??
    AH! Sei bem como é a situação e muitos no setor de eventos comentam que Curitiba “não tem eventos” pois a maioria quer festa de graça e isso não existe..de outro lado os políticos comentam que turismo não dá voto….UM ABSURDO!
    Se tivesse apoio todos os setores se aqueciam gerando circulação de capital para a nossa cidade,mas infelizmente forças ocultas não veem interesse….
    Diante de todos os problemas e mesmo assim o carnaval de ANTONINA passa lotado do carnaval de Curitiba…fato!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s