Otavinho do Operário‏

OTAVINHO UM LÉPIDO

PONTEIRO ESQUERDO E

OUTRA VIAGEM PELO

TEMPO DO FUTEBOL

Zé Domingos

Com a passagem dos cento e dois anos do Operário de Ponta Grossa resolvi relembrar um jogador que foi ídolo da torcida do fantasma da Princesa dos Campos. Refiro-me a Otavinho, ponteiro esquerdo.

Há algum tempo recebi telefonema do desembargador Dimas Ortêncio de Melo e ele como sempre alegre foi logo dizendo estar com amigos participando de um almoço na casa do Cícero, funcionário aposentado da Prefeitura de Curitiba e jogador dos times de base do Coritiba, depois de equipes da suburbana como Poti, Botafogo, Operário do Ahú, Primavera, Real e outras e ali o Dr. Tadeu Marino Loiola Silva afirmara em dado momento da conversa sobre futebolistas do passado de que o ponteiro esquerdo Otavinho não jogara pelo Coritiba e então solicitava que respondesse – “Se Otavinho jogou ou não pelo Coritiba?”

Respondi afirmativamente já que Otavinho esteve em pelo menos uma temporada no elenco do Coritiba e depois de deixar a condição de jogador passou a trabalhar nas categorias de base como treinador. Otavinho formou-se em Educação Física e após concurso público foi trabalhar como professor em escolas do Estado. Ficou em Curitiba durante alguns anos inclusive residiu no edifício onde moro e transferido para Londrina fixou residência por lá. Segundo soube agora um tempo fica aqui em Curitiba e outro em Londrina.

Otavinho surgiu nos anos sessenta no Operário Ferroviário de Ponta Grossa e logo se destacou pela velocidade, dribles, bons lançamentos e dedicação. De baixa estatura dava muito trabalho aos seus marcadores. Jogou ao lado de excelentes jogadores, pois o Operário naqueles tempos apresentava equipes de alto nível. Otavinho fez ala com Alex e Leocádio Cônsul, dois dos melhores jogadores que passaram por gramados paranaenses.

Em 1.960 Otavinho atuou ao lado de Madalozzo (goleiro), Daniel (lateral direito que esteve no Selecionado Paranaense), Laércio, Ribamar, Raimundo, Candinho, Hélio Silvestre, Rosinha, Zéca, Leocádio, Alex, Arlindo Lau (goleiro que brilhou no Corinthians Paulista e Grêmio de Porto Alegre com inicio de carreira no Bangu da Campina do Siqueira futebol amador de Curitiba e com passagem pelo Clube Atlético Ferroviário), Edgar (também Seleção Paranaense), Jango, Abelardo, Hélio, Mazola, Roberto, Miguel, Zanetti e Ico. Hélio e Ico irmãos de Duílio Dias, um dos maiores artilheiros da história do futebol paranaense que começou no Operário e depois conquistou vários títulos pelo Coritiba, atuando também pelo Esporte Clube Água Verde. Naquele ano embora contando com ótimo plantel o Operário Ferroviário foi o sétimo colocado.

O Coritiba chegava ao bi campeonato com Hamilton, Nico, Carazai, Julinho, Bequinha, Guimarães, Chico, Miltinho, Oda, Ivo, Duílio (citado acima), Ronald, Xavier, Aurélio, Bira, Gordinho e Rodrigues. Nesta relação a presença de Xavier ponteiro esquerdo que a exemplo de Tavinho começou atuando em Ponta Grossa, mas pelo Guarany. Veloz, canhoto, chute forte Xavier se destacou e foi convocado para a Seleção Paranaense e o Coritiba o contratou para ser um dos importantes reforços do elenco. Xavier não repetiu o mesmo futebol no Coxa e jogou poucas partidas no time principal. Jogava bastante pelos aspirantes. Interessante que o mesmo aconteceu com Otavinho conforme relatarei na seqüência.

Em 1.961 o Coritiba repetiu o título em campo e Operário Ferroviário entrou com processo na Justiça Desportiva em face do Coritiba ter colocado irregularmente durante as disputas o centro avante paraguaio Agapito que estava em Guarapuava e se transferiu para o clube da capital. Verificada a irregularidade o titulo foi dado ao clube de Ponta Grossa que tinha em seu elenco como um dos principais jogadores o baixinho, simpático, alegre e brincalhão Otavinho que surgiu para o futebol em Campo Largo e logo foi descoberto pelo pessoal do Operário.

Com Otavinho estavam no time campeão de 61 – Arlindo Lau (goleiro), Ribamar, Candinho, Roberto, Daniel, Laércio, Hélio Silvestre, Jairo, Fiúza, Miguel, Zéca, Silvio, Leocádio Cônsul, Madalozzo (goleiro), Jango, Hélio Dias, Ico e Zanetti. O titulo do Operário Ferroviário foi da Zona Sul enquanto o Comercial de Cornélio Procópio ganhava a Zona Norte e a Associação Esportiva Jacarezinho ganhava a Zona Setentrião (Norte Pioneiro). No triangular o Comercial ganhou o titulo tendo em seu grupo de jogadores Asa (goleiro), Dirceu (goleiro que atuou mais tarde pela Seleção Paranaense), Vitor, Dirceu II, Baltazar, Pinduca, Pedrinho, Vitor II, Garoto, Vilanueva, Mourão, Milton, Silvinho, Nelsinho e Beline.

Em 1.962 quando o Operário ficou como terceiro colocado no certame da Zona Sul disputado por Coritiba (campeão) com Hamilton, Valdir, Nico, Bequinha, Ariel, Miltinho, Guimarães, Chico, Duílio, Juquinha. Gauchinho, Wiliam, Quarentinha, Julinho, Carazai, Antoninho, Rodrigues, Ivan, Calita, Roberto e Domaia, Ferroviário (vice) com Paulista, Davi, Fernando Knaip, Celso, Bob, Alceu, Dino, Juarez, Fernando Augusto, Sarará, Bidio, Adilson, Caçula, Tetéu, Martins, Ema, Ivo, Darci, Sicupira e Demeterco, Água Verde, Guarany, Atlético, Rio Branco, Seleto, Irati, União Olímpico, Palestra Itália, Primavera, Caramuru, Bloco Morgenau e Britania, Otavinho novamente foi um dos destaques do Operário Ferroviário ao lado de Taborda, Daniel, Pacheco, Ribamar, Nanau, Fiúza, Roberto, Jairo, Silvio, Marreco, Nei (goleiro), Hamilton, Candinho, Hélio Silvestre, Leocádio Consul, Taraira, Laércio, Motiela e Sabará.

Otavinho se transferiu para o futebol do norte do estado e retornou para o sul em 1.967 quando foi contratado pelo Coritiba. O Coritiba foi o terceiro colocado com Água Verde (campeão) e Grêmio Esportivo Maringá (vice). Atuaram pelo Coritiba – Joel, Vivi, Berto, Nico, Reis, Hugo, Lucas, Oromar, Kruger, Valter, Edson, Gauchinho, Otavinho, Zeferino (goleiro), David, Nilson Lopes, Tião, Bequinha e Chiquinho. Otavinho não teve maiores oportunidades já que Gauchinho passava por ótima fase.

Foram campeões pelo Água Verde – Heitor e Pedro Bueno (goleiros), Zé Carlos, Titure, Silvio, Zeola, Fonti, Pedrinho, Tetéu, Natal, Jairton, Silvano, Padreco, Juquinha, Carlinhos, Russinho, Zezinho, Amilcar, Japonês e Nilson Peres. Técnico Geraldo Damasceno (Geraldino) e presidente Ricardo Machado Lima. Patrono – Orestes Thá.

Otavinho extremamente disciplinado, respeitador era querido por companheiros e dirigentes. Sempre alegre brincalhão e disposto, professor de Educação Física foi convidado a trabalhar com os juvenis e aceitou. Ficou mais um pouco no Coritiba e depois foi para Londrina, onde segundo informações reside até hoje. O fato é que Otavinho mesmo não sendo brilhante teve passagem pelo Coritiba.

Em 62 quando da realização do Campeonato Brasileiro de Seleções, Otavinho foi convocado e depois dispensado. Gijo do Arapongas que depois se transferiu para o Ferroviário foi o titular da camisa onze. Otavinho teve bons momentos no futebol, paranaense. “RECORDAR É VIVER”.

José Domingos Borges Teixeira

(Zé Domingos)

RáDIO Barigui – AM – 1560 – Internet – http://www.rádiobarigui.com – centraldetv.com.br – www.josedomingos.com.br – clicar Rádio Barigui, de segunda a sexta feira das sete as nove horas Comando da Manhã – No Mundo da Bola – telefone – (41) 3352-8686 – (41) 9972-0129 – E-mail – contato.josedomingos@hotmail.com

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s